Olá, pessoal, tudo bem?

Esta semana a Artisan Ballet juntamente com o professor Evandro Smile, separou e criou um conteúdo muito legal para vocês.  No texto vocês irão encontrar uma breve apresentação do termo danças urbanas, um pouquinho da história musical, alguns estilos e os benefícios das danças urbanas para o corpo e a mente.

É sempre bom lembrar que a história das danças urbanas é nova e ainda está em construção.

Boa leitura!

O que são as Danças Urbanas?

“Dança urbana” é o termo usado para referir-se a um conjunto de estilos de danças de rua e existem várias interpretações sobre a sua origem. Alguns dizem que ele surgiu no ano de 1929, nos Estados unidos, como manifestação artística do povo nas ruas. Estudos afirmam que este surgimento foi reflexo da crise econômica no país na década de 20 provocada pela Grande Depressão, e que forçou os artistas norte-americanos, como músicos e dançarinos, a levarem a sua arte para as ruas. Foi aqui que o termo Street Dance surgiu pela primeira vez e depois parou de ser usado, retornando em um novo contexto com a popularização da dança Locking.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
No entanto, existem outras interpretações que abordam a dança como crítica social relacionada aos soldados que voltavam em estado precário pós-guerra do Vietnã, os dançarinos também criticavam com movimentos robóticos a substituição do homem pelas máquinas tendo relação também com o imaginário futurista presente na época
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Já para o professor de danças urbanas da Artisan Ballet, Evandro Smile, as danças urbanas são reflexos de todo movimento cultural que envolviam as comunidades nos Estados Unidos: “é cultura popular que sofre interferência do meio em que está inserida. Certamente a crise e a guerra devem ter gerado algum tipo de interferência, mas eu vejo que a principal influência, foi o próprio movimento cultural das comunidades envolvidas. A música, as festas, outras culturas que chegaram a partir da imigração.”

Apesar das diferentes perspectivas pode-se entender que o surgimento das danças urbanas foi um movimento não acadêmico que veio das ruas, do povo e das relações sociais da época.

A música transfere vida ao movimento 

Atualizando-se junto ao tempo, os estilos de danças urbanas também acompanhavam as mudanças de músicas da época. Segundo o professor Evandro Smile a música tem grande influência nesta história: “sobre a música, se for pontuar algum estilo, teria que falar sobre todos. A música - e a cultura negra como um todo - tem influência no que surge pontualmente nas street dances.” Os ritmos de origem afro-americana como Blues e o R&B (Rhythm & Blues) foram os mais influentes da época, mas foi nos anos 60 com a popularização do inovador Funk, por James Brown, que o estilo firmou-se, ganhou identidade e abriu o caminho para os novos estilos. Muitos cantores neste período contribuíram para a criação dos estilos de dança, pois além de cantar eles criavam os próprios movimentos que, por sua vez ganhavam as ruas e tornavam-se referência. São eles: Rufus Thomas, que criou vários hits e danças que se tornaram populares, como: Do the Funky Chicken, Push and Pull, The Breakdown, Do the Funky Penguin.

Alguns estilos de danças urbanas

Como falamos anteriormente, “danças urbanas” é o termo usado para referir-se a um conjunto de estilos de danças de rua. Entre estes estilos alguns deles são: Locking, Popping e o Breaking

Criada por Don Campbellock no final dos anos 60, locking é considerada uma dança clássica dentro das danças urbanas. O termo “dança clássica”, de acordo com o professor Smile, aparece com a intenção de atribuir valorização a esta dança: “isso começou a ser falado para tentar mostrar que a dança não era feita de qualquer jeito e possuía um código específico com técnica, nomes de movimentos e história na concepção de cada um”.
Os movimentos do Locking são rápidos, mas também contêm pausas que trazem a sensação de ruptura. As roupas utilizadas na época eram boinas, coletes, suspensórios e meiões. O dançarino de Locking é chamado de Locker e possui a liberdade de interagir com a plateia enquanto dança.

Curiosidade: Segundo artigo da Rose Mary Marques Papolo Colombero, pode-se dizer que este estilo foi inventado acidentalmente pelo fato de Don Campbellock nunca ter conseguido interpretar corretamente os passos do funk chicken (estilo popularizado por James Brown em suas apresentações). No entanto, o professor Evandro Smile conta que o maior incentivo para que o Don começasse a dançar, foi uma rivalidade criada dentro do colégio com um colega que cometia bullying.

Popping foi criado na década de 70 por Sam Boogaloo inspirada no locking, mas sob influência dos novos estilos de música mais eletrônicos. Sam tinha como característica movimentos de contração muscular e dizia “pop” remetendo-se a noção de explosão como uma pipoca. Neste período surgem outras danças como Waving, que são as ondas pelo corpo, o Scarecrow, Puppet, Animation, King Tut, entre outras. Para o professor Evandro, os diferentes estilos de dança relacionam-se: “as outras danças têm origens distintas e específicas. É pelos agentes dessas danças estarem vivendo no mesmo ambiente que elas acabam interagindo e andando juntas.”

Aproximadamente, também nos anos 70, na região do Bronx, nasce entre os jovens a dança Breaking também influenciada pela música funk. Os jovens reuniam-se em galpões e ruas e dançavam em cima de papelões. Esta dança era inspirada na salsa e na dança charleston que deu origem aos tops rocks (movimentos com os pés que marcam o ritmo da música e introduzem a dança). Na época, cada dançarino criava o seu estilo a partir de referências de outras danças como a salsa, a dança russa e também os movimentos do Bruce Lee. No Brooklin existiam outros estilos além do top rock, eram eles: up rock (soma de movimentos de ataque e defesa simultâneos feitos por mais de um dançarino) e o footwork (movimentos circulares feitos com apoio das mãos e dos os pés ao mesmo tempo).

Conforme a dança foi popularizando-se entre os jovens outras vertentes começaram a fazer parte dos encontros, dando início a cultura Hip Hop. Os quatro principais elementos que davam forma à essa cultura são: o Breaking, os DJs, os MCs e o Grafite. Os DJs (disc jockey) criavam um novo ritmo dentro das músicas existentes: os MCs (mestres de cerimônias) animavam a festa, faziam rimas e anunciavam o desempenho dos dançarinos que, por sua vez, passaram a ser chamados de B.boying e B.girling; e os grafites que eram utilizados para marcar o território de cada turma ou grupo, os chamados crew.

Curiosidade: Os nomes B.boying e B.girling, surgiram durante os anúncios dos mestres de cerimônia. O “B” era utilizado para Breaking, Bronx ou Brooklyn.

Danças Urbanas no Brasil

Por aqui, toda esta cultura popular chega por meio das músicas, dos filmes e da moda. Sendo assim, a dança começa a espalhar-se pelo país influenciando os jovens.
Pouco se encontra sobre a história das danças urbanas de maneira linear. Como trata-se de uma dança atual ainda em construção muito do que sabe-se é contado oralmente. “Como cultura popular tradicional ela ainda está muito baseada na oralidade… Então, a maior parte das coisas que sabemos são de histórias que vão sendo contadas de geração para geração a partir dos mais velhos, do pessoal que viveu e quando a gente tem oportunidade de entrar em contato com isso.” Explica o professor Evandro Smile.

Mas não vamos deixar vocês sem respostas. A primeira companhia profissional de danças urbanas em São Paulo, Cia. Discípulos do Ritmo, nasceu em 1999 e para comemorar os 20 anos de vida produziu um documentário que conta a trajetória do grupo e, consequentemente, a história da dança. Lá você pode encontrar uma boa parte do contexto histórico desta arte, sendo contado por quem viveu e ainda vive escrevendo com o corpo esta história.

Acesse o documentário 

Quais os benefícios das danças urbanas?

Como a maioria das atividade física, as danças urbanas oferecem benefícios para o corpo. Entre eles a coordenação motora, a flexibilidade e o condicionamento físico. A dança também contribui com a mente e as relações sociais. Qualquer pessoa pode iniciar a prática sob cuidados profissionais.

Veja o professor Henrique Bianchini falando sobre os principais beneficios da dança 

 

Fonte de conteúdo para além das entrevistas com o professor Evandro Smile:

Rose Mary Marques Papolo Colombero Grupo de Pesquisa em Educação Física Escolar – FEUSP Julho/2011

Dança de rua - Educação Física 

Danças urbanas sua história

Mundo da dança